Na última terça-feira (26) o governo federal lançou em Brasília o Plano Progredir com o objetivo de promover a autonomia das famílias de baixa renda. O plano contará com diversas iniciativas que visão favorecer o desenvolvimento socioeconômico das famílias inscritas no Cadastro Único.

O que é o Plano Progredir?

O Plano Progredir reúne diversas ações de incentivo ao empreendedorismo, qualificação profissional e acesso ao mercado de trabalho. Serão liberados cerca de R$ 3 bilhões anuais em forma de microcrédito para as famílias de baixa renda com objetivo de fortalecer os pequenos negócios. O Microempreendedor Individual ganha novas formas de crédito e assistência técnica para desenvolver o seu empreendimento.

O Progredir também ofertará inicialmente 1 milhão de vagas em cursos de capacitação, dentre elas, aulas de educação financeira e assessoria técnica para os autônomos.

O Plano Progredir conta com um portal onde o beneficiário pode se cadastrar e montar seu próprio currículo para que as empresas busquem de forma local as pessoas que se encaixam na vaga ofertada.

Confira o portal:

Quem pode fazer parte do Progredir?

O progredir quer dá autonomia a no mínimo 1 milhão de famílias nos próximos 2 anos , conforme fala do Ministro do Desenvolvimento Social “Quem está no Bolsa Família precisa e quer progredir na vida. Temos que oportunizar a essas famílias um futuro melhor, por isso criamos este conjunto de ações. O Progredir tem tudo para desencadear o maior processo de inclusão e produtiva dos mais pobres no Brasil”, ressaltou Osmar Terra.

Famílias inscritas no Cadastro Único

Todas as famílias inscritas no Cadastro Único com perfil baixa renda podem participar do Progredir. O programa que visa autonomia das famílias de baixa renda usa justamente o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal por ser a melhor ferramenta para identificação das famílias socialmente e economicamente vulneráveis.

Como ocorre a autonomia das famílias de baixa renda?

A autonomia das famílias de baixa renda acontece quando as famílias conseguem sair da vulnerabilidade social, apresentando melhorias de renda e social. Programas ou projetos que incentivem essa autonomia para as famílias beneficiárias do Bolsa Família são considerados como “portas de saída” do programa.